sebenta de anotações esparsas, pensamentos ociosos, reflexões cadentes, poemas difusos, introspecções de uma filosofia mais ou menos opaca dos meus dias (ou + reminiscências melómanas, translúcidas, intra e extra-sensoriais, erógenas, esquizofrénicas ou obsessivas dos meus dias)
-
cahier de notes éparses, pensées oisives, réflexions filantes, poèmes diffus, introspections d'une philosophie plus ou moins opaque de mes journées (ou + de réminiscences mélomanes, translucides, intra-sensorielles et extra-sensorielles, érogènes, schizophrènes ou obsessionnelles de mes journées)

sexta-feira, 11 de abril de 2008

pOESIA pUNK

(m)amar sem ser (m)amado
é como limpar o cu sem estar cagado
é como um punk a cantar o fado
é como um hippie vestido de soldado
é como rir das piadas do Solnado
é como o isqueiro não acender depois do charro enrolado
é como uma pedrada que bate no momento errado
é como um frasco de absinto despejado
é como a falta de tesão quando a gaja te está chupar o nabo
é como foder o rabo de uma betinha com agrado
é como a merda da poesia quando não rima com nada.

Autor: Zé Tatoo Do Pedrado (aka. A.G. Weytjens)

5 comentários:

Irina disse...

Muito a la Bocage. :)

Anónimo disse...

A foto assenta que nem uma luva ao lado daquele supra-sumo poético.
Parabéns pelo teu blogue.

NC

My ChOcOLAtEbOx disse...

Muito original meu Amor. Gosto bastante, é tipico Gaspar.

Beijo doce.

Sweet Temptation

Anónimo disse...

adoro a tua poesia punk! Yeah, rock it!!!

Beta

Paulo lobo disse...

forte